quinta-feira, 4 de janeiro de 2018

Torne-se um designer de classe mundial fazendo do mundo seu escritório

O design excelente nos guia com perfeição para um resultado encantador. Abrange toda uma experiência à medida que interagimos com um produto ou serviço. O design excelente parece simples, mas é somente através de uma compreensão profunda das pessoas e da decisão de desafiar a complexidade que o grande design é alcançado.



A viagem nos ajuda a desvendar essa complexidade ao dar novas perspectivas às ideias, além de nos ajudar a experimentar problemas que afetam o mundo em uma escala global - ou mesmo aqueles pequenos detalhes que podemos perder enquanto estamos sentados em um escritório. Um voo atrasado ou como o seu cacau é polvilhado no seu café naquela nova cidade revela muito sobre a grande experiência do usuário e sobre como projetar a emoção. A viagem ajuda a compreender os ecossistemas inteiros e oferece uma visão abrangente sobre como esses toques muitas vezes esquecidos podem mudar completamente o humor, criar um sorriso e construir uma marca. As melhores marcas são as marcas que têm empatia e sabem exatamente para quem eles existem e como entregar algo que essas pessoas se preocupam.

Tome Airbnb, por exemplo. Eles criaram todo um ecossistema de experiência para atender a alegria ao entender a jornada do usuário em todas as perspectivas, superando as expectativas desde o início, adicionando esses detalhes, como a fotografia profissional gratuita; e durante os primeiros dias, literalmente, mergulharam na experiência do usuário dormindo nos pisos de seus primeiros adotadores para entender o problema que eles estavam apaixonados por resolver de todos os ângulos. Os designers precisam experimentar pontos de dor, bem como o encanto da solução final para realmente oferecer trabalho de classe mundial, e é isso que a viagem faz por você.

Experimentando o mundo e aplicando novas idéias

Ver o mundo pode nos tornar designers mais produtivos. Estar na estrada significa que nem sempre podemos estar online. Esta interrupção periódica forçada ajuda a manter o foco, porque simplesmente não há tempo para distrações online quando cada segundo conta. Pensando em tempos em que a produtividade aumentou, eu fui levado aos momentos intermediários quando, de repente, me senti intusiasmado para tirar meu caderno no ar, por causa do modo como o sol atingiu o monitor na minha frente durante o meu vôo e me lembrou desse otimismo futurista que se emprestou perfeitamente à rebrand que eu estava trabalhando. Com maior produtividade, chegamos a soluções mais rápidas e com menos estresse. Usando nossas próprias ideias estamos fazendo um favor aos nossos clientes, bem como aos seus produtos. Além disso, descobriu-se que a viagem pode realmente nos fazer mais feliz e saudável.

As soluções de design melhoram quando entendemos mais sobre pessoas, o mundo e como interagimos com a tecnologia. Às vezes, são as coisas pequenas nas cidades que nos dão grandes idéias e novas abordagens para a resolução de problemas. Geralmente, quanto mais obscuro o desafio, mais emocionante é a aprendizagem e a aplicação da percepção. Estar em novas cidades e ver como as pessoas usam a tecnologia para facilitar suas vidas nos ajuda a projetar soluções de design culturalmente e contextualmente relevantes. Foi só depois de viver em Berlim por um tempo que nossa equipe entendeu como os habitantes locais usavam a tecnologia, bem como sua atitude em relação a ela. Na época, estávamos projetando um alarme interativo que o despertava com conteúdo de áudio de notícias ao vivo e tocava sua música favorita.



Após extensas pesquisas e testes de usuários, descobrimos que as pessoas tinham tendência a desligar seus smartphones e seu wifi durante a noite, o que, obviamente, significava que nossa abordagem ao desafio mudou significativamente. Começamos a construir uma experiência que já não dependia de uma conexão com a internet. Em São Francisco, é fácil esquecer que nem todos têm o mais atual smartphone nos bolsos e que apenas 42,3% do mundo está online. Porém, também em São Francisco ou em Seul vislumbraremos um futuro perfeitamente conectado, onde o conteúdo é contextual e relevante e até mesmo desbloquear um novo espaço de escritório será apenas com um toque a distância. É tão importante mergulhar-nos nas últimas tendências de design e interação, tão como experimentar sistemas completamente off-line. Tome como exemplo a mPesa que permite que os africanos enviem e recebam dinheiro com nada além de um telefone celular básico. Não é necessária nenhuma conta bancária, conexão ou transações em papel.

É uma perspectiva global que nos dá uma visão local.

Melhorando a experiência global do usuário com sua perspectiva pessoal

Uma experiência interessante é sentar-se no metrô em Melbourne. É o oposto do sistema de transporte bem embalado e altamente eficiente em Taipei, onde tudo se parece automatizado e puntual. Em Melbourne, com a grande infraestrutura da cidade, as jornadas são longas e, além disso, o estilo de vida relaxado faz do metrô uma experiência social. Não é incomum começar uma conversa com a pessoa sentada ao seu lado.

Em cidades rápidas como Taipei, Londres e Nova York, a socialização parece invasiva. Os passageiros são absorvidos em seus fones de ouvido e interfaces e usam sua tecnologia para criar sua própria barreira pessoal. Compreender as diferenças regionais melhora nosso processo de design, ajudando-nos a entender o que a tecnologia usa e nos conscientiza dos comportamentos existentes. Um aplicativo que oferece comida sob demanda funcionará perfeitamente em um local onde conveniência, saúde e eficiência são importantes, como em Palo Alto ou São Francisco. No entanto, pode ser um fracasso completo em cidades como Taipei, onde comer é uma experiência social e comunitária, impulsionada pelo alimento de rua e disponibilidade local.



Paul Graham articula a maneira mágica que as cidades afetam a cada momento:

"Uma cidade fala com você principalmente por acidente - nas coisas que você vê através das janelas, em conversas você ouve demais. Não é algo que você precisa procurar, mas algo que você não pode desligar."

É a maneira permeável que as novas experiências moldam quem somos como seres humanos e designers nestas viagens. A viagem oferece um rico intercâmbio cultural e uma contaminação cruzada de idéias para nos conectar com a diversidade. Estar em um novo lugar é como ser uma tela em branco para a experiência - e ter uma mente aberta geralmente leva a gerar as melhores idéias e executar os projetos mais frescos. Pensar em nossos pés levando-nos para fora de nossas zonas de conforto nos dá novos conhecimentos.

Um designer pode aprender muito com a publicidade

Uma vez, uma perspectiva completamente nova foi encontrada aparentemente fora do alcance. Eu tinha acordado especialmente cedo uma manhã para pegar um vôo de Santiago para Atlanta, e me encontrei no aeroporto muito antes do voo ter partido. Com tempo para matar, terminei conversando com uma mulher gentil que estava em uma viagem pelo mundo. Ela me contou sobre o seu fascínio pela publicidade que estava nos metros em cada cidade que visitou. Ela havia dito que ela aprendeu mais sobre as cidades através da forma como os produtos foram anunciados.

"Há muito a ser descoberto sobre os papéis de gênero, aspirações e sonhos, apenas olhando os anúncios no metrô. Em Santiago, por exemplo, há anúncios de lingerie de deusas latinas escassamente vestidas ao lado de anúncios de dicas de dieta".

Ela continuou a dizer como isso afeta essa voz silenciosa das cidades e nos ajuda a entender o que motiva as pessoas.

Na verdade, a publicidade pode fornecer pistas culturais que ajudem os designers a manterem-se atualizadas com as últimas tendências, além de fornecer informações sobre o que motiva uma cidade. Sentei-me na parte de trás de um Uber e contei os outdoors que ficavam em destaque ao longo da rodovia desolada durante a viagem do Vale a San Francisco. Visualmente esparso, notei uma campanha de outdoor que tinha apenas uma única linha: "pergunte ao seu desenvolvedor", com um pequeno logotipo vermelho Twillio na parte inferior. A implicação foi clara. Os não desenvolvedores teriam que pedir a alguém mais "experiente" do que eles para entender o outdoor.



Este é apenas um exemplo do que uma tal campanha revela sobre o que impulsiona San Francisco. Desenvolvedores são claramente respeitados e em uma posição de influência, e a colocação e o conteúdo do outdoor mostram que há uma população demográfica clara que habita a cidade, que consiste em negócios e tecnologia. Eu certamente nunca vi um outdoor que anunciava qualquer coisa iniciada ou relacionada à tecnologia em Santiago, onde o conteúdo era conduzido por aspirações bastante diferentes. Muitas vezes eu via anúncios de Becks ou Corona que representavam jovens, homens de cintura com uma garrafa na mão e algumas mulheres bonitas ao fundo, desfrutando de uma cerveja na "Playa". Foi a atitude despreocupada que revelou muito sobre as aspirações de estilo de vida da cultura, colocando ênfase na amizade, beleza e qualidade de vida. A direção da arte do anúncio mostrou um alargamento de lente ensolarado, uma tendência atualmente evidente na publicidade e no cinema.

Ficar no topo das tendências de design atuais

O design plano foi outra tendência de longo prazo no design da interface, ultrapassando o skeuomorfismo (como popularizado pela Apple) e lentamente se aproximou da publicidade clássica de maneiras interessantes. Especialmente em cidades como Londres, Paris e Nova York, onde estratégias de campanhas digitais integradas são primordiais para o sucesso de uma campanha.

Na verdade esta campanha para o McDonalds mostra efeitos de design plano e alargado da lente. Um anúncio de impressão simples não o corta, e a ideia de campanha criativa é agora chamada de "#hashtagfinking" , onde as estratégias completas e offline precisam ser consideradas. São essas cidades onde as tendências criativas são muitas vezes definidas, inspirando-se na arte, moda e cultura. Estas tendências criativas atingem a popularidade dominante, geralmente provocadas por serem trazidas para a casa graças às indústrias de publicidade e cinema, que contam uma história visual sobre o que é importante para uma cultura.

Permanecer em contato com as tendências publicitárias nos torna melhores designers porque:
Podemos identificar tendências em projetos e produtos
Podemos entender melhor o que motiva uma cultura
Podemos aprender com a clareza da voz nas campanhas efetivas
Podemos entender estratégias claras em comunicação

Esteticamente falando, há um monte de valor que uma viagem pode adicionar ao seu trabalho de design simplesmente experimentando novos lugares. Eu acredito que estar em uma nova localização pode ajudar a acabar com a estagnação que até mesmo os melhores designers enfrentam ocasionalmente. Estando familiarizado com novos pontos turísticos, sons, sabores e cheiros, nos tornamos mais receptivos ao mundo que nos rodeia - vamos ligar e perceber as coisas com novos olhos e mentes. Ao usar novas partes do nosso cérebro e ao fato de que estamos tocando isso, também somos mais propensos a abordar os problemas de forma diferente ou a chegar a conclusões alternativas simplesmente porque estamos mais conectados ao mundo naquele momento. As vezes está nos detalhes do nosso novo ambiente - a forma como a arquitetura em Melbourne faz você sonhar com geometria e encoraja você a repensar a grade do último design do site, ou a maneira como os cabelos pretos da menina brilhavam ao sol com tons azulados, lembrando que você adicionasse profundidade ao seu trabalho.

Explorar é uma grande parte do design e nos ajuda a chegar a resultados que são inovadores e breves. Da mesma forma, explorar o mundo significa que, ao entender as questões globais, as culturas e estar inspirado em novos locais, podemos traduzir efetivamente essas novas idéias em um design que encanta os clientes e as pessoas que usam sua solução.

BY DANIELLE REID - FREELANCE DESIGNER @ TOPTAL (TRANSLATED BY YESICA DANDERFER)

ARTIGO ORIGINAL: Conviértete en un Diseñador de Clase Mundial al Hacer del Mundo tu Oficina

quinta-feira, 28 de dezembro de 2017

Um guia de instrução para animação SVG

Qualquer engenheiro de ponta que valha o seu sal é consciente dos desafios que o ecossistema fragmentado de dispositivos traz. Diferentes tamanhos de tela, resoluções e proporções de aspecto dificultam a entrega de uma experiência consistente. Mais ainda, para aqueles que querem oferecer uma experiência perfeita para pixel.

Gráficos vetoriais escaláveis ​​(SVGs) ajudam a resolver uma parte desse problema e a fazê-lo muito bem. Embora eles tenham suas limitações, os SVGs podem ser muito úteis para certas ocasiões e, se você tiver uma boa equipe de design, você também pode criar uma experiência mais visualmente deslumbrante sem colocar carga indevida no navegador ou prejudicar os tempos de carregamento.



Durante os últimos meses, trabalhei em um projeto que faz uso extensivo do SVG e suas capacidades de animação e efeito. Neste artigo, vou compartilhar como você pode usar o SVG e suas técnicas de animação para trazer uma nova vida ao seu trabalho de front-end na web.

Gráficos vetoriais escaláveis

O SVG é um formato de imagem baseado em XML, bem como o funcionamento do HTML. Ele define diferentes elementos para uma série de formas geométricas familiares que podem ser combinadas na marcação para produzir gráficos bidimensionais.

A especificação SVG é um padrão aberto desenvolvido pelo World Wide Web Consortium (W3C) em 1999.

Todos os principais navegadores da web tiveram apoio de renderização SVG.

Uma vez que os gráficos SVG são documentos XML, os navegadores da Web fornecem APIs baseadas em nós DOM que podem ser usadas para interagir com as imagens. Fale sobre trazer fotos para a vida!

Caminhos SVG

Se houver um elemento superado em SVG, esse seria o elemento [path].

O elemento do caminho é uma forma básica que pode ser usada para criar quase qualquer formato 2D avançado que você possa imaginar.

O elemento funciona tomando uma seqüência de comandos de desenho. É muito parecido com a linguagem de programação do logotipo de 1967, apenas modernizada e projetada para gráficos sofisticados. O elemento leva essa seqüência de comandos de desenho através do atributo d.

<!-- A right-angled triangle -->
<path d="M10 10 L75 10 L75 75 Z" />


Você pode pensar em uma caneta virtual que desenha na tela, e os comentários de desenho no elemento de caminho apenas controlam a caneta. No exemplo acima, a caneta está sendo instruída para mover para a posição (10, 10)(M10 10), para desenhar uma linha para (75, 10)( L75 10), para desenhar uma linha (75, 75) L75 75 e fechar o caminho retornando ao ponto de partida (Z).

Usando outros comandos de desenho, como arcos (A), curvas de bezier quadrático (Q), curvas de bezier cúbicas (C), etc, você pode criar formas e gráficos muito mais complexos em SVG.

Você pode aprender muito mais sobre o elemento do caminho aqui.

Caminhos SVG e CSS

"Ok, Juan, entendi. Os caminhos são poderosos, mas como eu os animo? ", Você diz.

Para a nossa primeira técnica, vamos aproveitar dois atributos SVG: stroke-dasharray e stroke-dashoffset.



O atributo stroke-dasharray controla o padrão de traços e intervalos usados ​​para traçar o caminho. Se você quisesse desenhar suas linhas como um grupo de traços e lacunas em vez de um golpe contínuo de tinta, esse é o atributo que você usaria.

Com as imagens SVG sendo parte do DOM do navegador web e stroke-dasharray sendo um elemento de apresentação, o atributo também pode ser configurado usando CSS.

Da mesma forma, o atributo stroke-dashoffset (que especifica o quão longe no padrão de traço para iniciar o traço) também pode ser controlado usando CSS.

Esses dois atributos SVG, juntos, podem ser usados ​​para animar caminhos SVG, dando ao espectador a ilusão de que os caminhos estão sendo desenhados de forma gradual.

Tome esta curva de bezier quadrático, por exemplo:



<path fill="transparent" stroke="#000000" stroke-width="5" d="M10 80 Q 77.5 10, 145 80 T 280 80" class="path"></path>


Para animar esse caminho como se estivesse sendo desenhado de forma gradual e sem problemas na tela, teremos que definir os comprimentos do tabuleiro (e intervalo), usando o atributo stroke-dasharray, igual ao comprimento do caminho. Isto é para que o comprimento de cada traço e intervalo na curva tracejada seja igual ao comprimento de todo o caminho.

Em seguida, definiremos o deslocamento do traço, usando o atributo stroke-dashoffset, para 0. Isso fará com que o caminho apareça na tela como uma curva sólida (estamos essencialmente olhando o primeiro dash, e já fizemos cada intervalo de traço o todo comprimento da curva). Ao definir o deslocamento de traço igual ao comprimento da curva, acabaremos com uma curva invisível (agora estamos olhando a curva sendo renderizada como uma lacuna inteira - a parte que segue imediatamente um traço).

Agora, ao animar a propriedade stroke-dashoffset, você pode fazer a curva aparecer na tela gradualmente.



Como você pode ver, a curva está sempre lá. Estamos apenas alterando o deslocamento do painel para que a parte tracejada apareça um bit a bit.

Você pode dar um passo adiante usando o mesmo princípio, mas com mais caminhos:



Aqui você tem uma curva preta que é fixa, uma vermelha que se move ao longo do caminho, e outra preta que segue o vermelho, mas 40px atrás.

Stroke-dasharray e stroke-dashoffset são dois atributos muito poderosos que podem ser usados ​​para aplicar uma infinidade de animações e efeitos aos seus caminhos SVG. Você pode tentar esta ferramenta acessível que você pode usar para experimentar os dois atributos.

Animando objetos ao longo de caminhos SVG

Com SVG e CSS, outra coisa legal que você pode fazer é animar objetos ou elementos seguindo um caminho.

Existem 2 atributos SVG que vamos usar para a animação:
- offset-path: A propriedade CSS do caminho do deslocamento especifica o caminho do deslocamento onde o elemento é posicionado.
- Distância de deslocamento: a propriedade de CSS de distância especifica uma posição ao longo de um caminho de deslocamento.

Ao combinar essas duas propriedades, você pode criar animações assim facilmente:



Como você pode ver, temos um novo elemento div.ball.

Este elemento pode ser qualquer coisa, uma div, uma imagem, texto, seja o que for. A idéia neste exemplo é que, com o uso do caminho de deslocamento e distância de deslocamento, você pode dar ao elemento um caminho a seguir e animar a distância e o elemento se moverá através do caminho.

Animações SVG usando JavaScript

Se tudo isso não é bastante sofisticado, você sempre pode recorrer ao JavaScript.

Animar elementos SVG com JavaScript pode ser como animar os elementos DOM. No entanto, com o JavaScript, você pode alcançar as técnicas de animação que fizemos anteriormente, mas com mais facilidade.

Anteriormente, tivemos que codificar os comprimentos do caminho em nosso CSS. Com a ajuda da função JavaScript path.getTotalLength(), é possível calcular o comprimento do caminho on-the-fly e usá-lo conforme necessário. Você pode aprender mais sobre isso aqui.

Além disso, várias bibliotecas já estão à sua disposição, o que pode tornar as animações SVG muito mais fáceis do que já são.

Snap.svg não só facilita a criação de imagens SVG usando o JavaScript, mas as anima tão simples como chamar .animate({}).

Outra biblioteca, anime.js, permite que você faça um elemento div seguir um caminho SVG com apenas algumas linhas de código.

Se você está procurando uma biblioteca que faz mais por conta própria, mas faz com que os resultados ainda parecem deslumbrantes, então Vivus é o que você está procurando. É preciso uma abordagem diferente, mais orientada a configuração, para a animação do caminho do SVG. Com esta biblioteca, você só precisa adicionar uma ID ao elemento SVG que deseja desenhar e definir um objeto Vivus com essa ID. Vivus cuidará do resto.

Leitura adicional

Abaixo estão uma lista de recursos que você pode achar útil ao lidar com imagens SVG e animá-las:

Para aprofundar a animação SVG, você pode ler este breve artigo sobre as três formas de animar imagens SVG e assistir o screencast de vídeo por CSS Tricks.

Uma coisa que este artigo não abrange é a animação de imagens SVG com linguagem sincronizada de integração multimídia (SMIL). Ao usar CSV para SVG dá-lhe a vantagem de trabalhar com algo que você já conhece, o SMIL leva as coisas ao próximo nível.

Com o SMIL, você pode implementar efeitos de animação avançados, como o morphing de forma usando o SVG sozinho. Um guia curto e eficaz para usar o SMIL para tais efeitos está disponível aqui.

Embora o suporte para SMIL seja um pouco nervoso neste momento (sem trocadilhos).

Animações sem compromissos para a Web

Neste artigo, você passou por várias maneiras de animar elementos SVG usando CSS ou elemento HTML em caminhos SVG.

SVG é leve e pode ser usado para produzir gráficos nítidos, independentemente do tamanho da tela, nível de zoom e resolução da tela. Com o SVG, oferecer uma experiência moderna e vívida agora é mais fácil do que nunca, ao mesmo tempo em que colhe os benefícios do uso de tecnologias web padrão.

E é isso! Espero que você tenha encontrado este tutorial de animação SVG útil e gostou de lê-lo.

BY JUAN CALOU - FREELANCE SOFTWARE ENGINEER @ TOPTAL

ARTIGO ORIGINAL: Guía: Cómo Animar con SVG

sábado, 11 de novembro de 2017

Introdução ao PHP 7 - O que há de novo e o que se foi

Um dos eventos mais emocionantes em 2015 no mundo do PHP foi o lançamento do PHP 7, 10 anos a partir do lançamento da última versão principal, o PHP 5. Com um grande passo em frente, o PHP 7 apresenta muitos novos recursos e atualizações de desempenho.

No entanto, ele também remove a funcionalidade antiga e obsoleta, que introduz algumas quebras de compatibilidade, dificultando a migração de aplicativos mais antigos para a nova versão. Este guia deve servir como um passeio rápido sobre o que esperar se você planeja mover suas aplicações existentes, ou criar novas, em cima do PHP 7.

Mas espere, para onde foi o PHP 6?

Se você não trabalhou com PHP ultimamente, você pode se perguntar o que aconteceu com o PHP 6, por que o salto do PHP 5 para o PHP 7? Bem, para ser breve, o PHP 6 foi uma falha. A principal característica da versão 6 foi o suporte nativo para caracteres Unicode, pois o PHP é usado principalmente no desenvolvimento web e a web precisa do Unicode, então o movimento para trazer Unicode para PHP fazia sentido.

A idéia era oferecer suporte completo para o Unicode ao próprio núcleo. Isso teria trazido capacidades extensas para o idioma, desde a capacidade de usar emojis tolos como nomes de funções e variáveis, até uma poderosa funcionalidade de string internacional. Por exemplo, quando outro idioma usa maiúsculas e minúsculas de forma diferente do inglês, ou quando um nome em caracteres chineses precisa ser convertido em inglês.


PHP 6 era ambicioso, porém sem valor. Desta forma surgiu o PHP 7, ignorando a versão 6 no processo.

Infelizmente esse plano ambicioso revelou-se um problema maior do que o esperado. Grande parte da base do código teve que ser alterada para suportar o Unicode para ambas as extensões principais e importantes, o que se mostrou tedioso e complicado. Isso desacelerou o desenvolvimento de outros recursos no idioma, frustrando muitos desenvolvedores do PHP no processo. Ocorreram obstáculos adicionais, o que resultou em menos interesse em desenvolver um suporte Unicode nativo, levando finalmente o projeto a ser abandonado.

Uma vez que os recursos, como livros e artigos, foram escritos para o PHP 6 e seu suporte Unicode, a nova versão seria renomeada PHP 7 para evitar confusão.

De qualquer forma, deixando o passado triste para trás, vamos ver o que o PHP 7 traz para a festa.

Batalha de Desempenho, PHP 7 vs. PHP 5

Como praticamente todas as atualizações, esperam-se pequenas atualizações de desempenho. No entanto, desta vez o PHP traz uma melhoria significativa em relação às versões anteriores, tornando o desempenho puro um dos recursos mais atraentes do PHP 7. Isso vem como parte do projeto "PHPNG", que aborda o core do próprio mecanismo Zend.

Ao refatorar estruturas internas de dados e adicionar uma etapa intermediária para compilação de código na forma de uma Árvore de sintaxe abstrata (AST), o resultado é um desempenho superior e uma alocação de memória mais eficiente. Os próprios números parecem muito promissores; os benchmarks feitos em aplicativos do mundo real mostram que o PHP 7 é duas vezes mais rápido do que o PHP 5.6 em média e resulta em 50 por cento menos consumo de memória durante os pedidos, tornando o PHP 7 um rival forte para o compilador JH HHVM do Facebook. Dê uma olhada nesta infografia do Zend que descreve o desempenho de alguns CMS e Frameworks comuns.


O PHP 7 parece familiar, mas está atento ao desempenho. O refinado Zend Engine e os ganhos de desempenho resultantes fazem uma enorme diferença.

A diminuição do consumo de memória também permite que as máquinas menores atendam melhor os pedidos, além da oportunidade de construir serviços micro em torno do PHP. As mudanças internas, em particular a implementação AST, também abre possibilidades para otimizações futuras que poderiam impulsionar o desempenho ainda mais. Uma nova implementação interna de um compilador JIT está sendo considerada para futuras versões.

PHP 7 Syntactic Sugar

O PHP 7 vem com novos recursos de sintaxe. Embora não estenda os recursos do próprio idioma, eles fornecem uma maneira melhor ou mais fácil de tornar seu código mais agradável para escrever e agradar aos olhos.

Declarações de importação de grupo

Agora podemos agrupar declarações de importação para classes provenientes do mesmo espaço de nomes em uma única linha [use]. Isso deve ajudar a alinhar declarações de forma significativa ou simplesmente salvar alguns bytes em seus arquivos.


use Framework\Module\Foo;
use Framework\Module\Bar;
use Framework\Module\Baz;


Com o PHP 7 podemos usar:


use Framework\Module\{Foo, Bar, Baz};


Ou, se você preferir um estilo multi-line:

use Framework\Module{
    Foo,
    Bar,
    Baz
};


Operador de Coalescente Nulo

Isso resolve um problema comum na programação do PHP, onde queremos atribuir um valor a uma variável de outra variável, se esta última estiver realmente configurada, ou de outra forma fornecer um valor diferente para ela. É comumente usado quando trabalhamos com a entrada fornecida pelo usuário.

Pre-PHP 7:

if (isset($foo)) {
    $bar = $foo;
} else {
    $bar = 'default'; // we would give $bar the value 'default' if $foo is NULL
}


Depois do PHP 7:

$bar = $foo ?? 'default';


Isso também pode ser alinhado com várias variáveis:

$bar = $foo ?? $baz ?? 'default';


Operador spaceship

O operador spaceship (<=>) permite uma comparação de três vias entre dois valores, não apenas indicando se eles são iguais, mas também qual é maior, na desigualdade retornando 1,0 ou -1.

Aqui podemos tomar diferentes ações, dependendo de como os valores diferem:

switch ($bar <=> $foo) {
    case 0:
        echo '$bar and $foo are equal';
    case -1:
        echo '$foo is bigger';
    case 1:
        echo '$bar is bigger';
}


Os valores comparados podem ser inteiros, flutuadores, strings ou mesmo arrays. Verifique a documentação para ter uma idéia de como diferentes valores são comparados entre si. [https://wiki.php.net/rfc/combined-comparison-operator]

Novos recursos no PHP 7

Mas, claro, o PHP 7 também traz funcionalidade nova e emocionante.

Tipos de Parâmetros Escalares e Dicas de Tipo de Retorno

O PHP 7 estende as declarações de parâmetros anteriores dos parâmetros em métodos (classes, interfaces e arrays), adicionando os quatro tipos escalares; Inteiros ( int), flutuadores ( float), booleanos ( bool) e strings como possíveis tipos de parâmetro.

Além disso, podemos opcionalmente especificar quais tipos de métodos e funções retornam. Os tipos suportados são bool, int, float, string, array, callable, nome da classe ou interface, auto e pai (para métodos de classe)

class Calculator
{
    // We declare that the parameters provided are of type integer
    public function addTwoInts(int $x, int $y): int {
        return $x + $y; // We also explicitly say that this method will return an integer
    }
}


As declarações de tipo permitem a construção de aplicativos mais robustos e evitam passar e retornar valores incorretos das funções. Outros benefícios incluem analisadores de código estático e IDEs, que fornecem uma melhor visão sobre a base de código se faltar DocBlocks.

Uma vez que o PHP é uma linguagem de tipagem fraca, certos valores para os tipos de parâmetros e de retorno serão lançados com base no contexto. Se nós passamos o valor "3" em uma função que tenha um parâmetro de tipo declarado int, o intérprete o aceitará como um número inteiro e não lançará nenhum erro. Se você não quiser isso, você pode ativar strict mode, adicionando uma diretiva [declare].

declare(strict_types=1);

Isso é definido em uma base por arquivo, como uma opção global seria dividir repositórios de código para aqueles que são construídos com rigor mundial em e aqueles que não são, resultando em um comportamento inesperado quando combinamos o código de ambos.

Exceções do motor

Com a adição de exceções do mecanismo, erros fatais que resultariam na rescisão do script podem ser capturados e tratados com facilidade.

Erros como chamar um método inexistente, não encerrará o script, em vez disso, eles lançam uma exceção que pode ser tratada por um bloco try catch, que melhora o tratamento de erros para seus aplicativos. Isso é importante para certos tipos de aplicativos, servidores e daemons porque erros fatais exigiriam que eles reiniciassem. Os testes em PHPUnit também devem se tornar mais utilizáveis ​​à medida que erros fatais deixam cair o conjunto completo de testes. As exceções, em vez de erros, seriam tratadas em cada caso de teste.


O PHP 7 parece familiar, mas está atento ao desempenho. O refinado Zend Engine e os ganhos de desempenho resultantes fazem uma enorme diferença.

O PHP 7 adiciona várias novas classes de exceções com base no tipo de erros que podem ser encontrados. Para manter a compatibilidade entre versões, Throwable foi adicionada uma nova interface que pode ser implementada a partir de exceções de motor e exceções de usuário. Isso foi necessário para evitar exceções do motor para estender a classe de exceção base, resultando em antigas exceções de captura de código que não existiam antes.

Antes do PHP 7 isso teria encerrado o script com um erro fatal:

try {
    thisFunctionDoesNotEvenExist();
} catch (\EngineException $e) {
    // Clean things up and log error
    echo $e->getMessage();
}


Classes Anônimas

As classes anônimas são primas de funções anônimas que você pode usar em uma simples instância de curto prazo. As classes anônimas são facilmente criadas e usadas como um objeto comum.

Pre-PHP 7

class MyLogger {
  public function log($msg) {
    print_r($msg . "\n");
  }
}

$pusher->setLogger( new MyLogger() );


Com a classe anônima:

$pusher->setLogger(new class {
  public function log($msg) {
    print_r($msg . "\n");
  }
});


As classes anônimas são úteis no teste de unidades, particularmente em objetos e serviços de mocking tests. Isso nos ajuda a evitar pesadas bibliotecas e estruturas de simulação criando um objeto simples que fornece a interface que queremos fingir.

Funções CSPRNG

Foram adicionadas duas novas funções para gerar strings e números inteiros criptograficamente seguros.

random_bytes(int $len);

Retorna uma string aleatória com comprimento $len.

random_int(int $min, int $max);

Retorna um número entre $min e $max.

Unicode Codepoint Escape Syntax

Ao contrário de muitos outros idiomas, antes do PHP 7, o PHP não tinha uma maneira de escape de um codigo Unicode em literais de strings. Essa funcionalidade adiciona a seqüência de escape "\u" para produzir esses caracteres usando seu código UTF-8. Isso é melhor do que inserir os caracteres diretamente, permitindo um melhor tratamento de caracteres invisíveis, bem como caracteres que possuem a mesma representação gráfica, mas diferem em significado.

echo "\u{1F602}"; // outputs 😂

Observe que isso interrompe o código existente com a seqüência \u porque altera o comportamento.

Geradores são atualizados

Os geradores em PHP também possuem alguns recursos adicionais agradáveis. Agora, os geradores têm uma declaração de retorno que pode ser usada para permitir a saída de um valor final após a iteração. Isso pode ser usado para verificar se o gerador foi executado sem erros e permite que o código que chamou o gerador para lidar com vários cenários adequadamente.

Além disso, os geradores podem retornar e produzir expressões de outros geradores. Isso permite que eles dividam operações complexas em unidades mais simples e modulares.

function genA() {
    yield 2;
    yield 3;
    yield 4;
}

function genB() {
    yield 1;
    yield from genA(); // 'genA' gets called here and iterated over
    yield 5;
    return 'success'; // This is a final result we can check later
}

foreach (genB() as $val) {
    echo "\n $val"; // This will output values 1 to 5 in order
}

$genB()->getReturn(); // This should return 'success' when there are no errors.


Expectativas

As expectativas são um aprimoramento da função assert(), mantendo a compatibilidade com versões anteriores. Eles permitem asserções de custo zero no código de produção e fornecem a capacidade de lançar exceções personalizadas quando a afirmação falhar, o que pode ser útil durante o desenvolvimento.

assert() torna-se uma construção de linguagem em PHP 7. As afirmações devem ser usadas apenas para fins de depuração no desenvolvimento e testes de ambientes. Para configurar o seu comportamento, recebemos duas novas diretivas.

zend.assertions
1: gerar e executar o código (modo de desenvolvimento) (valor padrão)
0: gera o código, mas salta em torno dele em tempo de execução
-1: não gera código tornando zero-custo (modo de produção)


assert.exception
1: lance quando a afirmação falhar, seja jogando o objeto fornecido como a exceção ou jogando um novo objeto AssertionError se a exceção não for fornecida
0: use ou gere um Throwable como descrito acima, mas apenas gere um aviso com base nesse objeto ao invés de jogá-lo (compatível com o comportamento do PHP 5)

Preparando para mover do PHP 5 para o PHP 7

A introdução de um lançamento importante traz a oportunidade de alterar/atualizar funcionalidades mais antigas ou até mesmo removê-las se elas forem consideradas antigas demais ou tenham sido obsoletas há algum tempo. Tais mudanças podem introduzir quebras na compatibilidade em aplicativos mais antigos.

Outra questão que surge de saltos dessa versão é que bibliotecas e frameworks importantes de que você depende podem ainda não terem sido atualizados para suportar a versão mais recente. A equipe do PHP tentou tornar as novas mudanças compatíveis com versões anteriores e permitir que a migração para a nova versão seja tão indolor quanto possível. Aplicativos mais recentes e atualizados devem achar mais fácil mudar para a nova versão, enquanto aplicativos mais antigos podem ter que decidir se os benefícios superam o custo, possivelmente escolhendo não atualizar.

A maioria das quebras são menores e podem ser mitigadas facilmente, enquanto outras podem exigir mais esforço e tempo. Basicamente, se você tivesse avisos de desaprovação em seu aplicativo antes de instalar o PHP 7, você provavelmente receberá erros que quebrarão o aplicativo até serem corrigidos. Você foi avisado, certo?

SAPIs e extensões antigas

Mais importante ainda, os SAPIs antigos e obsoletos foram removidos como a extensão mysql (mas você não deveria usar isso em primeiro lugar, certo?). Para obter uma lista completa de extensões, você pode verificar estas RFCs aqui e aqui.

Além disso, outros SAPIs estão sendo portados para o PHP 7.


Um monte de SAPIs e extensões antigas foram retirados do PHP 7. Estamos achando que não serão perdidas.

Sintaxe Variável Uniforme

Esta atualização fez algumas mudanças a favor da consistência para construções ​​variáveis. Isso permite expressões mais avançadas com variáveis, mas introduz mudanças no comportamento em alguns outros casos, como mostrado abaixo.

                        // old meaning            // new meaning
$$foo['bar']['baz']     ${$foo['bar']['baz']}     ($$foo)['bar']['baz']
$foo->$bar['baz']       $foo->{$bar['baz']}       ($foo->$bar)['baz']
$foo->$bar['baz']()     $foo->{$bar['baz']}()     ($foo->$bar)['baz']()
Foo::$bar['baz']()      Foo::{$bar['baz']}()      (Foo::$bar)['baz']()


Isso quebraria o comportamento de aplicativos que acessassem valores como este. Por outro lado, você pode fazer algumas coisas como esta:

// Nested ()
foo()(); // Calls the return of foo()
$foo->bar()();

// IIFE syntax like JavaScript
(function() {
    // Function body
})();

// Nested ::
$foo::$bar::$baz


Etiquetas de estilo antigo removidas

A abertura/fechamento de tags <% ... %>, <%= ... %>, são removidos e não mais válidos.

Nomes inválidos para Classes, Interfaces e Traits

Como resultado de adições como classes de parâmetros e tipos de retorno, as interfaces e os traits não podem mais ter os seguintes nomes:

bool
int
float
string
null
true
false

Estes causam quebras em aplicativos e bibliotecas existentes que os usam, mas devem ser fáceis de corrigir. Além disso, embora não provoquem nenhum erro e sejam válidos, o seguinte não deve ser usado porque eles são reservados para uso futuro:

resource
object
mixed
numeric

Para obter uma lista completa de alterações que quebrariam a compatibilidade, verifique este documento.

Você também pode usar o php7cc, que verifica seu código e pode detectar possíveis problemas que podem surgir se você mudar para o PHP 7. Mas, claro, não há melhor maneira do que instalar o PHP 7 e ver por si mesmo.

Possíveis problemas de compatibilidade do PHP 7

Compatibilidade de infraestrutura do PHP 7

Muitos serviços de hospedagem começaram a adicionar suporte para o PHP 7. Esta é uma boa notícia para os provedores de hospedagem compartilhada, pois os ganhos de desempenho permitirão aumentar o número de sites de clientes em seu hardware, reduzindo suas despesas operacionais e aumentando suas margens. Quanto aos próprios clientes, eles não devem esperar muito de um impulso nestas condições, mas para ser justo, a hospedagem compartilhada não é uma escolha orientada para o desempenho de qualquer maneira.

Por outro lado, os serviços que oferecem servidores privados virtuais ou servidores dedicados obterão os benefícios completos dessa colisão de desempenho. Alguns serviços PaaS, como o Heroku, apoiaram o PHP 7 no início, mas outros serviços, como a AWS Beanstalk e o OpenShift da Oracle, estão atrasados. Verifique o site do seu fornecedor PaaS para ver se o PHP 7 já é suportado, ou se o suporte virá no futuro próximo.

Claro, os provedores de IaaS permitem que você controle o hardware e instale o PHP 7 (ou compile se isso é mais do seu agrado). Os pacotes PHP 7 já estão disponíveis para os principais ambientes IaaS.

Compatibilidade de software PHP 7

Além da compatibilidade de infra-estrutura, você também precisa estar atento aos possíveis problemas de compatibilidade de software. Sistemas de gerenciamento de conteúdo populares como o WordPress, o Joomla e o Drupal adicionaram suporte para o PHP 7 com seus últimos lançamentos. Marcos importantes como Symfony e Laravel também gozam de suporte total.

No entanto, é hora de uma palavra de cautela. Este suporte não se estende ao código de terceiros na forma de complementos, plugins, pacotes ou o que seu CMS ou framework os chama. Eles podem sofrer problemas de compatibilidade e é sua responsabilidade garantir que tudo esteja pronto para o PHP 7.

Para repositórios ativos e mantidos, isso não deve ser um problema. No entanto, os repositórios mais antigos e não mantidos que não possuem suporte ao PHP 7 podem tornar sua aplicação inteira inutilizável.

O futuro do PHP

O lançamento do PHP 7 removeu o código antigo e obsoleto e preparou o caminho para novos recursos e atualizações de desempenho no futuro. Além disso, o PHP deverá obter otimizações de desempenho adicionais em breve. Apesar de ter algumas quebras de compatibilidade com lançamentos anteriores, a maioria dos problemas é fácil de resolver.

Bibliotecas e frameworks agora estão migrando seu código para o PHP 7, disponibilizando as versões mais recentes. Eu encorajo você a experimentá-lo e ver os resultados para você. Talvez o seu aplicativo já seja compatível e esteja à espera de usar, e se beneficiar do PHP 7.

POR VILSON DUKA - FREELANCE SOFTWARE ENGINEER @TOPTAL

ARTIGO ORIGINAL: Introducción A PHP 7: Qué Hay De Nuevo Y Qué Se Ha Ido

domingo, 15 de outubro de 2017

Design de UI do futuro sem botões

O que são botões e nós realmente precisamos deles?

Desde o início das interfaces de usuário gráficas usamos botões. Considere a GUI original da Xerox PARC, que tem 44 anos - e ainda assim nossas interfaces de usuário são muito parecidas.

Recentemente, tracei o histórico de estilos de botões criando o Dribbble Timeline. Embora os botões evoluíram em sintonia com as tendências atuais e ao lado da tecnologia, sua origem é, sem dúvida, inspirada em objetos reais do passado.


Canto inferior direito - Sears First Electric Buzzer 1897 Catálogo de outono

Por mais de uma década, criamos dispositivos sem uma interface física - que não dependem do toque humano, mas podem ser ativados por voz ou gesto. Por que persistimos na criação de formas com as quais interagir com base nos objetos familiares que nos cercam? A forma de um botão digital ainda é modelada em ferramentas e mecanismos que desenvolvemos no século XIX!

Nós criamos dispositivos eletrônicos inteligentes completamente novos, podemos manipulá-los de maneira quase exclusiva, mas por falta de preguiça ou força de hábito, continuamos a forçar nossos usuários a clicar em uma pequena área de apenas alguns pixels de largura.

É hora de fazer algo sobre isso - é hora de pensar sem botão.

UI "Sem-botão" - onde tudo se interage

Uma "utopia sem botões" é um conceito em que qualquer tentativa de manter mais de 130 anos de como as coisas sempre foram feitas está completamente destruída. O futuro é agora - devemos seguir em frente e alienar-nos das soluções ultrapassadas de nossos predecessores.

É possível para nós imaginar uma interface completamente livre de botões? Algo tão intuitivo, que, apenas olhando para ele, você saberá como agir? Não precisa mais ser apenas em nossa imaginação - essas interfaces já existem.


Microsoft HoloLens: HoloTour

Podemos, de uma vez por todas, eliminar o botão venerado? Microfones, câmeras, telas sensíveis ao toque, vibrações, acelerômetros, giroscópios, GPS, realidade estendida, realidade virtual - a lista continua - e tudo isso é gerenciado pelo seu smartphone ou PC. Não há mais nenhuma razão para continuar forçando seus usuários a pressionar aquele pequeno retângulo.

Vamos eliminar botões nas IIs

Você já leu Design de Tipo - Conceito do Tópico Designer Michael Abehsera em que as interfaces são desprovidas de qualquer elemento gráfico na qual o que importa é o conteúdo? Muitos de vocês perguntaram: "E os botões?" Nós não precisamos deles mais, vamos eliminá-los completamente.

Aqui estão algumas idéias interessantes:

O Facebook simplesmente perguntou: "Qual é o seu humor?" Não é necessário pressionar um botão para responder - use sua voz - diga-lhe que se sente bem e dirija-se à praia. Em seguida, arraste o texto que o Facebook reconhece da sua resposta para onde você deseja que ele apareça.


Pesquisa por voz Neel Raj

Parecido com um artigo sobre Medium? Um tempo atrás em Medium você poderia simplesmente "recomendar" um artigo. Hoje, clicamos em "palmas". Então, "aplauda". E se não houvesse necessidade de clicar nesse pequeno botão estranho, apenas literalmente aplaudir?


Conceito sem botões de Wojciech Dobry (... Não leve isso a sério demais.)

E quanto a algumas ações mais complexas? Como um check-out em uma loja online. Arraste e solte um item no carrinho de compras, deslize para proceder ao check-out e confirme com sua impressão digital. Mole-mole.


ASOS - Adicionar ao carrinho animação por Zachary Zhao

Conteúdo que pensa e tela inteira

Vamos começar com as superfícies que atualmente tocamos para executar uma ação. Dado que a grande maioria das interfaces de usuário gráficas dos dias modernos são exibições de tela sensíveis ao toque - muitas vezes manipuladas com nossos polegares - é lógico que tais interfaces estejam conosco por um longo período de tempo. E definitivamente esse impulso irresistível de toque-toque é a sensação mais importante de todas. Tocar na superfície nos dá uma sensação de ação real, de controle. Como seria, em vez de clicar em um ponto particular, ensinarmos nossos usuários a interagir com toda a superfície?

Vamos ver como o Instagram faz isso:


Navegação na história do Instagram

Você já viu um botão que permite navegar na História do Instagram e voltar para a história anterior? Provavelmente não, porque tudo que você precisa fazer é tocar a margem esquerda da tela para que isso aconteça.

Os usuários passaram a esperar novas formas de interagir com nossos produtos digitais e muitas vezes não envolve um botão. Os cartões são sensíveis em todas as suas superfícies; clicando em qualquer palavra, esperamos encontrar sua definição; Ao tocar imagens, esperamos alguma ação. Os usuários já estão acostumados com o fato de que áreas inteiras respondam ao toque.

Reconhecimento de Gesto

Nós entendemos os gestos muito bem porque eles são naturais para nós e refletidos em nossas ações físicas. Atualmente, quase todas as aplicações os usam para acelerar a navegação; podemos dobrar uma foto em vez de pressioná-la como um botão; podemos deslizar para navegar na galeria; ou tocar para ampliar qualquer conteúdo.


Virgil Pana


Interfaces de usuário por Ramotion & Jarek Berecki

Nós fazemos gestos não só em telas planas - gestos também são realizados em espaços AR e VR, onde podemos navegar com todo o nosso corpo.


Gestos em HoloLens pela Microsoft


Clay VR Gesture Recognition On iPhone

Interfaces de voz

Siri, Cortana, Alexa e o Assistente do Google estão funcionando. Muitos argumentam que as interfaces de voz são o futuro - é difícil discordar porque seus usos potenciais são além da conta. Podemos controlar veículos, edifícios inteligentes e máquinas simplesmente falando com eles - assim como conversamos com uma pessoa real. Com a inteligência artificial e a aprendizagem de máquinas, as máquinas agora são capazes de entender nosso idioma de forma cada vez mais precisa. Já não nos limitamos a pronunciar com cuidado "palavras mágicas"; podemos falar frases completas.


Ok, Google ...

Ao usar a fala, podemos nos mover livremente para o mundo das transferências bancárias. Atualmente, o Siri permite que você transfira dinheiro via PayPal para outra pessoa usando apenas um pedido rápido: "Siri, envie $200 para XYZ usando o PayPal." Sem botões - a única confirmação e verificação de segurança necessárias é o Touch ID.



Ações físicas, dispositivos conectados e reconhecimento de vídeo

Sorria para pagar? Está aqui! Alibaba e KFC lançaram em conjunto um sistema que permite que você pague simplesmente sorrindo para a câmera - sem botões para pressionar. O sistema funciona no reconhecimento facial e agora está disponível na China.



Este é apenas um dos potenciais usos. Nossos dispositivos já estão equipados com uma série de sensores e podem monitorar todo o seu corpo. Nada está impedindo que você use um dedo para executar qualquer ação em seu smartphone.



Outro exemplo de uma ação física que acelerará o desaparecimento dos botões é simplesmente estar perto do dispositivo. Vejamos o iWatch, por exemplo - apenas emparelhe com seu laptop para desbloquear o seu MacBook. Os dispositivos vestíveis ​​podem ser usados ​​para confirmar nossa identidade, bem como prever de maneira inteligente nossas necessidades com base na localização e nos dados dos sensores. Graças a eles, já podemos evitar o uso de botões em muitas interfaces.



Não esqueçamos sobre as tecnologias amplamente disponíveis há vários anos. Um deles é o giroscópio disponível em quase todos os smartphones, mas raramente usado em interfaces. Acima, você pode ver as interfaces experimentais criadas por Patryk Adaś.

UI Designers do futuro

Com tantas opções diferentes disponíveis para nós, agora é possível esquecer o uso de botões retangulares típicos para os usuários interagirem. Com a tecnologia de hoje, temos a capacidade de criar interfaces completamente novas que podem:

  • Economizar tempo do usuário
  • Impedir erros e
  • Compensar quaisquer ações acidentais



Interfaces conceituais de Cosmin Capitan e Ramotion

O tempo chegou - a tecnologia está nos ultrapassando. Nós, os designers, DEVEMOS perseguí-la... e certifique-se de recuperar o atraso!

POR WOJCIECH DOBRY - TOPTAL FREELANCE DESIGNER E DESIGN BLOG EDITOR @ TOPTAL
ARTIGO ORIGINAL: El Futuro del Diseño UI Sin Botones

terça-feira, 26 de setembro de 2017

CRM2U - Consumo de Web Api usando Javascript

Este artigo tem como objetivo documentar o uso de um importante recurso do meu sistema de gerenciamento com o cliente, o CRM2U. Este recurso se chama Web Api, e serve como um [conector] entre o sistema CRM2U e qualquer sistema legado.

Esta é a URL principal de consumo REST: /api/BMS/QueryXML

Com este conector, você pode efetuar todo CRUD de operações. Portanto, segue abaixo o uso prático deste recurso, usando Javascript/JQuery.

P.S.: Os exemplos são executados como se o serviço Web Api estivesse instalado no Endpoint [http://localhost:5000].

Para efetuar um SELECT

function selectRecords() {
    var xmlSELECT =
        "<select>" +
            "<organization name='BMS1' />" +
            "<user value='gtezini@hotmail.com' />" +
            "<password value='P9JyRi3HsoieLjpyVrr7rWn8uyCyR12RlARE+5yN2/Y=' />" +
            "<table name='account' alias='tb1' />" +
            "<fields>" +
            "    <field name='tb1.AccountId' label='ID' />" +
            "    <field name='tb1.Name' />" +
            "    <field name='tb1.AccountNumber' />" +
            "</fields>" +
            "<filter type='and'>" +
            "    <condition field='tb1.StatusCode' operator='=' value='1' />" +
            "</filter>" +
        "</select>";

    var param = {
        "Type": "GET",
        "xmlContent": xmlSELECT
    };

    $.ajax({
        type: 'POST',
        url: "http://localhost:5000/api/BMS/QueryXML",
        data: param,
        dataType: 'json',
        contentType: "application/x-www-form-urlencoded; charset=utf-8",
        success: function (data, textStatus, jqXHR) {
            if (textStatus == "success") {
        // JSON que representa os [registros] retornados
                var json = JSON.parse(data.Result);
            }

        },
        error: function (jqXHR, textStatus, errorThrown) {
            debugger;
        }
    });

}

Para efetuar um CREATE
function createRecord() {
 var xmlINSERT =
  "<insert>" +
   "<organization name='BMS1' />" +
   "<user value='gtezini@hotmail.com' />" +
   "<password value='P9JyRi3HsoieLjpyVrr7rWn8uyCyR12RlARE+5yN2/Y=' />" +
   "<table name='account' isNN='false' />" +
   "<records>" +
   "    <record>" +
   "        <fields>" +
   "            <field name='accountid' type='uniqueidentifier' value='NEWID' />" +
   "            <field name='name' type='string' value='Create sample 1...' />" +
   "            <field name='AccountNumber' type='string' value='1' />" +
   "        </fields>" +
   "    </record>" +
   "    <record>" +
   "        <fields>" +
   "            <field name='accountid' type='uniqueidentifier' value='NEWID' />" +
   "            <field name='name' type='string' value='Create sample 2...' />" +
   "            <field name='AccountNumber' type='string' value='2' />" +
   "        </fields>" +
   "    </record>" +
   "</records>" +
  "</insert>";

    var param = {
        "Type": "SET",
        "xmlContent": xmlINSERT
    };

    $.ajax({
        type: 'POST',
        url: "http://localhost:5000/api/BMS/QueryXML",
        data: param,
        dataType: 'json',
        contentType: "application/x-www-form-urlencoded; charset=utf-8",
        success: function (data, textStatus, jqXHR) {
        },
        error: function (jqXHR, textStatus, errorThrown) {
        }
    });

}

Para efetuar um UPDATE
function updateRecord() {

 var xmlUPDATE =
  "<update>" +
  " <organization name='BMS1' />" +
  " <user value='gtezini@hotmail.com' />" +
  " <password value='P9JyRi3HsoieLjpyVrr7rWn8uyCyR12RlARE+5yN2/Y=' />" +
  " <table name='account' />" +
  " <set>" +
  "  <field name='name' type='string' value='UPDATED - Create sample 1...' />" +
  " </set>" +
  " <filter type='and'>" +
  "  <condition field='name' operator='=' value='Create sample 1...' />" +
  " </filter>" +
  "</update>";

    var param = {
        "Type": "SET",
        "xmlContent": xmlUPDATE
    };

    $.ajax({
        type: 'POST',
        url: "http://localhost:5000/api/BMS/QueryXML",
        data: param,
        dataType: 'json',
        contentType: "application/x-www-form-urlencoded; charset=utf-8",
        success: function (data, textStatus, jqXHR) {
        },
        error: function (jqXHR, textStatus, errorThrown) {
        }
    });

}

Para efetuar um DELETE
function deleteRecord() {

 var xmlDELETE =
  "<delete>" +
  " <organization name='BMS1' />" +
  " <user value='gtezini@hotmail.com' />" +
  " <password value='P9JyRi3HsoieLjpyVrr7rWn8uyCyR12RlARE+5yN2/Y=' />" +
  " <table name='account' />" +
  " <filter type='and'>" +
  "  <condition field='name' operator='like' value='%Create sample%' />" +
  " </filter>" +
  "</delete>";

    var param = {
        "Type": "SET",
        "xmlContent": xmlDELETE
    };

    $.ajax({
        type: 'POST',
        url: "http://localhost:5000/api/BMS/QueryXML",
        data: param,
        dataType: 'json',
        contentType: "application/x-www-form-urlencoded; charset=utf-8",
        success: function (data, textStatus, jqXHR) {
        },
        error: function (jqXHR, textStatus, errorThrown) {
        }
    });

}

CRM2U - Consumo de Web Api usando C#

Este artigo tem como objetivo documentar o uso de um importante recurso do meu sistema de gerenciamento com o cliente, o CRM2U. Este recurso se chama Web Api, e serve como um [conector] entre o sistema CRM2U e qualquer sistema legado.

Esta é a URL principal de consumo REST: /api/BMS/QueryXML

Com este conector, você pode efetuar todo CRUD de operações. Portanto, segue abaixo o uso prático deste recurso, usando C#.

P.S.: Os exemplos são executados como se o serviço Web Api estivesse instalado no Endpoint [http://localhost:5000].

Para efetuar um SELECT

1 - Monte o "SELECT" através de uma instrução XML:

string xmlSELECT = @"
 <select>
  <organization name='{0}' />
  <user value='{1}' />
  <password value='{2}' />
  <table name='User' alias='tb1' />
  <fields>
   <field name='tb1.UserId' label='ID' />
   <field name='tb1.Name' />
   <field name='tb1.Email' />
   <field name='tb2.Name' />
   <field name='tb3.Name' />
  </fields>
  <join name='Status' alias='tb2' fieldFrom='statuscode' fieldTo='statuscode'>
   <filter type='and'>
    <condition field='tb2.name' operator='=' value='Ativo' />
   </filter>                     
  </join>
  <join name='salesorder' alias='tb3' fieldFrom='userid' fieldTo='ownerid'>
   <filter type='and'>
    <condition field='tb3.name' operator='like' value='%ped%' />
   </filter>                     
  </join>
  <filter type='and'>
   <condition field='tb1.name' operator='like' value='%usr%' />
  </filter>
 </select>";

O XML acima é a representação do SELECT-SQL abaixo:

SELECT tb1.UserId, tb1.Name, tb1.Email, tb2.Name, tb3.Name
FROM [User] tb1 JOIN [Status] tb2 ON tb1.statuscode = tb2.statuscode AND tb2.name = 'Ativo'
  JOIN [salesorder] tb3 ON TB1.UserId = tb3.ownerid AND tb3.name like '%ped%'
WHERE tb1.Name like '%usr%'

2 - Passe como parâmetro as informações de [Organização], [Usuário] e [Senha], conforme a sequência abaixo.

var xmlF = string.Format(xmlSELECT,
    "BMS1",
    "gtezini@hotmail.com",
    "P9JyRi3HsoieLjpyVrr7rWn8uyCyR12RlARE+5yN2/Y=");

3 - Execute a instrução, chamando a Web Api:
var result = GetStringByXMLPost("http://localhost:5000/api/BMS/QueryXML", "GET", xmlF, "application/x-www-form-urlencoded");

Segue abaixo o método [GetStringByXMLPost] que efetua chamadas HTTP:
public static string GetStringByXMLPost(string url, string type, string xml, string mediaType = "application/json")
{
 string urlContents = "";
 HttpResponseMessage result = null;
 var client = new HttpClient();

 try
 {
  Task.Run(async () =>
  {
   if (mediaType == "application/json")
   {
    var doc = new XMLDocumentModel()
    {
     Type = type,
     xmlContent = xml
    };

    var content = JsonConvert.SerializeObject(doc);
    var httpContent = new StringContent(content, Encoding.UTF8, mediaType);
    result = await client.PostAsync(new Uri(url), httpContent);
   }
   else {
    var keyValues = new List<KeyValuePair<string, string>>();
    keyValues.Add(new KeyValuePair<string, string>("Type", type));
    keyValues.Add(new KeyValuePair<string, string>("xmlContent", xml));
    var formContent = new FormUrlEncodedContent(keyValues);

    var request = new HttpRequestMessage(HttpMethod.Post, url);
    request.Content = formContent;
    result = await client.SendAsync(request);
   }

   urlContents = await result.Content.ReadAsStringAsync();
   client.Dispose();

  }).Wait();
 }
 catch (Exception ex)
 {
 }

 return urlContents;
}

P.S.: XMLDocumentModel é uma classe simples de apoio:
public class XMLDocumentModel
{
    public string Type { get; set; }
    public string xmlContent { get; set; }
}


Para efetuar um CREATE

1 - Monte o "CREATE" através de uma instrução XML:
string xmlINSERT = @"
    <insert>
        <organization name='{0}' />
        <user value='{1}' />
        <password value='{2}' />
        <table name='{3}' isNN='false' />
        <records>
            <record>
                <fields>
                    <field name='statuscode' type='int' value='998' />
                    <field name='name' type='string' value='test1...' />
                    <field name='ownerid' type='string' value='9EC0ABA8-2947-4857-9698-1C43BBBFAB5B' />
                </fields>
            </record>
            <record>
                <fields>
                    <field name='statuscode' type='int' value='999' />
                    <field name='name' type='string' value='test2...' />
                    <field name='ownerid' type='string' value='9EC0ABA8-2947-4857-9698-1C43BBBFAB5B' />
                </fields>
            </record>
        </records>
    </insert>";

2 - Passe como parâmetro as informações de [Organização], [Usuário], [Senha] e [tabela], conforme a sequência abaixo.
var xmlF = string.Format(xmlINSERT,
    "BMS1",
    "jack@gmail.com",
    "Rxkmrhz9ZFV7dFvA+k2wHIBO4yhOaULfqMTEzU7XlOw=",
    "lead");

3 - Execute a instrução, chamando a Web Api:
var result = GetStringByXMLPost("http://localhost:5000/api/BMS/QueryXML", "SET", xmlF, "application/x-www-form-urlencoded");


Para inserir dados em uma tabela N-N, adicione o atributo [isNN='true'] na tag xml [table], conforme exemplificado abaixo:
string xmlINSERT = @"
    <insert>
        <organization name='{0}' />
        <user value='{1}' />
        <password value='{2}' />
        <table name='{3}' isNN='true' />
        <records>
            <record>
                <fields>
                    <field name='pricelist_productid' type='uniqueidentifier' value='NEWID' />
                    <field name='pricelistid' type='uniqueidentifier' value='3BEF33F8-A159-4F77-964D-B820B8414E59' />
                    <field name='productid' type='uniqueidentifier' value='B091A317-4FF7-42BE-AD86-D77C22059E49' />
                </fields>
            </record>
            <record>
                <fields>
                    <field name='pricelist_productid' type='uniqueidentifier' value='NEWID' />
                    <field name='pricelistid' type='uniqueidentifier' value='3BEF33F8-A159-4F77-964D-B820B8414E59' />
                    <field name='productid' type='uniqueidentifier' value='6922B778-B4FF-4564-A992-E40A020C599F' />
                </fields>
            </record>
        </records>
    </insert>";


Para efetuar um UPDATE

1 - Monte o "UPDATE" através de uma instrução XML:
string xmlUPDATE = @"
    <update>
        <organization name='{0}' />
        <user value='{1}' />
        <password value='{2}' />
        <table name='{3}' />
        <set>
            <field name='name' type='string' value='TEST UPD...' />
        </set>
        <filter type='and'>
            <condition field='name' operator='=' value='TEST' />
        </filter>
    </update>";

2 - Passe como parâmetro as informações de [Organização], [Usuário], [Senha] e [tabela], conforme a sequência abaixo.
var xmlF = string.Format(xmlUPDATE,
    "BMS1",
    "jack@gmail.com",
    "Rxkmrhz9ZFV7dFvA+k2wHIBO4yhOaULfqMTEzU7XlOw=",
    "Status");

3 - Execute a instrução, chamando a Web Api:
var result = GetStringByXMLPost("http://localhost:5000/api/BMS/QueryXML", "SET", xmlF, "application/x-www-form-urlencoded");


Para efetuar um DELETE

1 - Monte o "DELETE" através de uma instrução XML:
string xmlDELETE = @"
    <delete>
        <organization name='{0}' />
        <user value='{1}' />
        <password value='{2}' />
        <table name='{3}' />
        <filter type='and'>
            <condition field='name' operator='=' value='TEST...' />
        </filter>
    </delete>";

2 - Passe como parâmetro as informações de [Organização], [Usuário], [Senha] e [tabela], conforme a sequência abaixo.
var xmlF = string.Format(xmlDELETE,
    "BMS1",
    "jack@gmail.com",
    "Rxkmrhz9ZFV7dFvA+k2wHIBO4yhOaULfqMTEzU7XlOw=",
    "Status");

3 - Execute a instrução, chamado a Web Api:
var result = GetStringByXMLPost("http://localhost:5000/api/BMS/QueryXML", "SET", xmlF, "application/x-www-form-urlencoded");